domingo, maio 08, 2016

Ele mexe as bebidas com a pila

É com o gáudio de uma adolescente que acaba de descobrir a alegria de dormir com uma almofada entre as pernas que anuncio que na minha zona de residência há um Café do Aires. 

Em breve vou lá comprar um corneto e depois já vos digo se a bolacha vem mole, toda mole. 

Karvela

segunda-feira, maio 02, 2016

O Pequeno Camarão usa todos os dias calças de fato de treino descoordenadas com a parte de cima porque who the fuck cares. Ou cenas do star wars porque star wars. Sapatos é mato porque, uma vez mais, estamos a falar de um bebé, ele quer é presunto no chão ou téne com velcro que eu sou pessoa de emoções fracas e não sei se tenho coragem para ter outro filho, quanto mais para atar atacadores. No outro dia deixei que o vestissem mais jeitosinho e no fim, camisa e pullover, calças e boné, parecia um forcado do Aposento do Barrete Verde em dia de folga. Apeteceu-me correr o pai à chapada mas isto é garoto que fica bem com qualquer farrapo e deixei passar. Depois fomos sair. Gastou boa parte do reforço dos sapatos e quase rasgou as calças de ganga. Comeu frango do chão porque lhe caiu da mão e ele pôs na boca e eu tipo tá bem deixa, qualquer dia quero dar-te um prato gourmet e mandas-me enfiar a redução de vinho tinto no cu e eu tipo seu cabrão quando eras bebé até comeste frango do chão e depois pegamo-nos ao puxão de cabelo e eu tenho que culpar o pai tu é que o vestiste à beto uma vez e agora é isto que temos em casa.

Karvela

sexta-feira, abril 29, 2016

A minha vizinha que é muito doente

Nós temos uma vizinha que regressou de uma longa estadia noutra localidade. Vivia cá e lá, muito mais lá que cá. Uma vez por ano vem cá para ser operada. Vou ser operada porque é melhor ser cá porque lá há menos condições e por isso vim para cá. Depois ia-se embora para ser operada. Vou ser operada lá porque me chamaram e tem mesmo que ser lá. No ano seguinte regressa, ainda completamente ilesa, para ser operada. Estive à espera e finalmente vão-me operar, venho cá a um especialista. Duas semanas depois ia embora. Afinal não me operam tenho que voltar porque se ficar cá tiram-me da lista de espera do hospital de lá. 

Ávida praticante dos Dois Metros Sofá Porta, motivada sobretudo por uma atitude vencedora e pela vontade de ver quem chegou, o que traz vestido, quantos sacos do Continente traz e de que cor ainda é o carro que vira há pouco durante a prova de Cinco Metros Cozinha Porta, motivada sobretudo por uma atitude vencedora e por um ouvido de tísica que só não ouve o que não quer mas ouve a minha prima a pôr a chave à porta às cinco da manhã, era ela que eu bem a ouvi.

Agora diz que essa vizinha voltou para ficar. No outro dia a minha mãe passou por ela. Parece que o marido vem também, para ser operado. 

Karvela

quinta-feira, abril 28, 2016

Fuck me? Sure!

Há algum tempo passei meio dia a explicar a um doutorado que 200 + 200 = 400 e continuaram a chegar e-mails a pedir esclarecimentos acerca desta equação quântica, quase sobrenatural, diria divina até que parou, saciado por uma reformulação, no sentido de duzentos mais duzentos é igual a quatrocentos, assim sim, está mais explicado.

Começo a questionar esta coisa de daqui a pouco tempo estar a prestar provas para imbecil doutorada.

Karvela

I'm judging you

O racio de dentes por pessoa é uma qualidade subvalorizada.

Karvela

sexta-feira, abril 22, 2016

Serviço Público

Eu já levo uns anos nesta terra e vou perdoando algumas coisas aos jovens, que têm cérebros mais recentes - é certo, mais frescos mas com menos quilometragem, aquilo anda mas desenvolve pouco - e por isso alguns detalhes escapam-lhes e nós sorrimos e damos palmadinhas nas moleirinhas, que ainda não fecharam por completo e depois aquilo é um bocado mole e fazemos todos aquela cara de quando se toca na moleirinha que é nheee e ewww e outra vez!

Por isso, é com um sentimento que oscila entre o enojado e o satisfeito que observo frequentemente o comportamento de mulheres e homens que têm idade para serem meus primos mais velhos no ato de esperar, na bomba de gasolina, dentro do carro, em fila para abastecer, que a pessoa da frente se despache, frequentemente exasperados, numa postura corporal que denuncia um "olhamestefilhadaputa que agora deve estar lá dentro a comprar chocolates para a família toda!" ou um "caralhosmafodam podias andar mais devagar até ao carro, não?".

Especialmente para vós, gente que povoava abundantemente as bombas da direita daquela estação de serviço esta manhã, deixando as bombas da esquerda completamente vazias, nosso senhor nos livre e guarde de pensar para além do que vos é posto à frente dos olhos. Estou cá eu para vos mostrar o caminho chamar-vos estúpidos ajudar.

Jovem, o meu depósito também é à direita e, ainda assim, eu parei alegremente na bomba que fica à minha esquerda e... espera... espera... puxei a mangueira do gasóil que... olha, espera... ai... é comprida (mind = blown, eu sei!) e tu podes puxar e depois ela chega ao depósito mesmo que esse depósito esteja longe da agulheta. Aquilo não trava ao fim de 50cm e não te puxa de encontro ao sem chumbo com toda a força como se fosse um cordel de bungijumpe, aquilo continua e continua e podes, em parando o carro só um metro à frente do que é costume, pôr o teu combustível com uma ausência de nervos que é um mimo.

25 de Abril sempre. Foda-se.

Karvela 

quarta-feira, abril 20, 2016

FrankenCool

De vez em quando ouço a expressão "Epáááá este banco está todo deitado! Conduzes deitada...? É para parecer fixe?". 

Ora, eu não sei em que fantasia de 1994 é que o kramer ainda vive, na qual a equação conduzir reclinado com os braços buéda esticados = inacreditavelmente fixe, mas eu gostava só de deixar aqui claro que: 

a) não é fixe conduzir como se tivesse aquele problema nas articulações que faz as pessoas andarem com os braços todos caídos, aquilo nem abana, mete impressão.  

b) nem na nossa adolescência era fixe conduzir ou ver alguém conduzir assim, os garotos que acham que isso é um íman de puss ficam a parecer muito baixinhos porque só se vê do queixo para cima. É como o tipo que eu vi no outro dia a conduzir um porsche, o carro era mesmo muito lindo mas o gajo era daqueles que veste o pullover por cima da camisa e nem preciso dizer mais nada que vocês entendem, é daquelas infelicidades da vida.

c) eu passo coisa de duas horas por dia a conduzir, é o mais perto que eu tenho de estar descansada mas sem estar a dormir, na maior parte das vezes.

Karvela

sábado, abril 09, 2016

Asshole brain

É estar mesmo quase a adormecer e lembrar-me daquele dia em 1992 em que deixei de usar champô dois em um e fui comprar, cheia de confiança, um champô que afinal era um amaciador e lavei o cabelo só com amaciador e tive que ir para a escola com uma marrafa que mais parecia um cordel e chegar a casa e perceber que afinal era só amaciador e não me lembrar exatamente quando é que comprei outra vez champô ou se usei o champô da minha mãe e a inquietação de pensar quanto tempo andei em com o cabelo feito guita, se foi um dia se foi uma semana, e a realização que o meu cabelo em geral ainda parece um barbantezito humilhante.

Karvela

sábado, abril 02, 2016

As coisas que me enojam #30986/A

Cocó do cão, tranquila.
Cocó da criança, porreiríssima da vida.
Criança bebe água do banho, vómito instantâneo.

Karvela

segunda-feira, março 28, 2016

Definições maternas #5950

Definição de manhã: o ato de arrancar uma criança de três anos e meio dos lençóis às 8h50, efetuar as necessárias libações - nenhuma -, vestir e alimentar a criança de forma absolutamente desadequada, sair de casa pelas 9h15, verificar que a criança se transformou, durante o percurso no veículo automóvel, num coala carente e não será simples sair da escola sem ouvir, pelo menos, doze diferentes entoações da palavra "mãe!". Isto seguido do ato de sair da escola de qualquer forma, demonstrando graus negativos de empatia e chegar ao trabalho às 10h em ponto constatando, enquanto se liga o computador, que não existe qualquer memória do caminho percorrido até aí.

quinta-feira, março 24, 2016

Definições maternas #6043

Definição de serão: o momento entre as 21h30 e as 22h30, durante o qual a criança já dorme e a mãe ainda se encontra suficientemente acordada para exclamar "oooohhh guuuuurl!" para o ecrã do computador onde passa um reality show, ao mesmo tempo que pensa que amanhã é, de facto, o dia em que regressa à dieta e à vida livre de comida processada, açucarada e engordurada, ao mesmo tempo que tempera o grego magro do Lidl com oito colheres de açúcar amarelo e já tem umas fatias de pão a dourar na torradeira porque, cito "uma sandes de chourição a esta hora com pão cru ainda é coisa para me cair mal".

Karvela

quarta-feira, março 23, 2016

Do not operate heavy machinery

Não há coisa que me tire com mais facilidade do mood meditativo do que começar a meditação guiada com o aviso palerma que é melhor não estar a conduzir durante uma sessão que é feita de olhos fechados. 

Isso e o aviso para não andar a conduzir catrapilas e empilhadoras senão já sabes que ficas tão relaxada que vais em frente no armazém do ikea e quando acordas vês, em grande vergonha, que andaste a arrastar atoalhados e cuvetes de gelo.

Karvela (a meditação não é para pessoas imaginativas)

terça-feira, março 22, 2016

Definições maternas #3490

Definição de tomar um comprimido quando se coabita com uma criança de três anos e meio: o ato de colocar o comprimido na boca, observar em grande pânico, e já com a língua amarga, que não se pensou que a água deveria estar já preparada aquando da toma da medicação, seguido do ato de espreitar para dentro de qualquer um dos múltiplos copos/ garrafas/ canecas/ copos de brincar, e que são, cito enfaticamente, "minhas!", que enfeitam toda e qualquer superfície de um compartimento, momento ao qual se segue o ato de entender qual o rácio de água para baba/ ranho/ resíduos diversos - parcialmente provenientes de não apenas beber a água mas também logo de seguida empurrar parte dessa água novamente para dentro do copo/ garrafa/ caneca/ copo de brincar - e, após aturada avaliação beber na mesma constatando que, tristemente, a medicação já se encontra a meio do esófago.

Karvela

sábado, janeiro 30, 2016

Pastilla

Hoje estou no Continente e folheio o livro novo da Bimby. Vejo que tem uma receita de Pastilla, que é o prato que me faz salivar só de pensar na sua existência.

E, sem hesitar, saco do telemóvel e fotografo. Apercebo-me daí a um minuto que só fotografara a parte dos ingredientes. Volto para trás, procuro a parte da preparação e volto a fotografar.

Isto tudo carregando no carrinho uma criança discreta, que me ia perguntando "o que é que estás a fazer?", "porque é que estás a tirar fotografias?" e outras pertinências como "compras-me um popó?" ou "quero ir para a caixa sua badalhoca." 

E, no fim, apercebo-me que nem olhei à volta, cheguei, vi e fotografei. 

Anuncio, assim,a tão ansiada chefada do momento em que estou a meio passo de me tornar naquelas velhas que passam na caixa com um faneco de pão, uma lata de atum e os bolsos cheios de Dr. Bayard.

Karvela

segunda-feira, janeiro 25, 2016

Estão a deseducar-me o meniiiiino!

Na sua ainda pueril eloquência o camarão canta-me hoje esta canção:

A minha mãe mandou-me à loja
Comprar um copo de vinho

A noite é escura
Tenho medo do caminho

A noite é escura 
Tenho medo do papão

Portanto temos uma melodia que retrata uma mãe tão fiadaputa de pobre e tão em ânsias por beber que manda o filho já de noite comprar um copo - não uma garrafa, muito menos um garrafão - de vinho. 

Esta senda da taberna para casa e de casa para a taberna atira-o diretamente para os braços do papão (conceito que até agora ele desconhecia, obrigadinhes!) e lá vem a criança, copo de vinho na mão, tremelicando de pavor. 

Ninguém fica feliz nesta história: o puto apavorado e a mãe com menos de meio copo de vinho.

Karvela

sexta-feira, janeiro 15, 2016

Pessoas que eu detesto. Um poema.

Ligas para um sítio
Precisas de algo perguntar
Porque não sabes tudo na vida
Não é preciso humilhar

Respondem-te, condescendentes
Começam com "Minha Senhora"
E eu no fundo estou a rogar
Que no cu se lhes enfie uma cenoura

Jovem, se lês isto
Aprende a ser educado
Antes simples que uma besta
Mas antes bruto que drogado