quinta-feira, junho 16, 2011

Catarse

Imaginem um balde de merda. Mas mesmo merda. Como em fezes. Não é um balde de merda metafórico. É um balde de plástico cheio de senhores castanhos. 
Imaginem-no fétido, cheio de cocós. Cocós moles. Cocós duros. Cocós assim assim e outros de cor duvidosa que nos leva a pensar que se calhar ir ao médico seria boa ideia.
Imaginem que é um balde daqueles normais, que se compram em qualquer superfície comercial. Portanto leva o seu tempo a encher. 
E por isso a merda que lá está dentro é de há muito tempo. Os tarolos do fundo já viram passar algumas luas. 

Agora imaginem que estão a passear-se calmamente na rua. Até acham que a vida vos corre bem. Bolas, corre-vos mesmo bem. Aliás, corre-vos melhor do que jamais correu. Há coisas a acontecer, rodas a mexer, hamsters a correr, movimento perpétuo.

Agora imaginem que o senhor de barba à passa-piolho que andou a coleccionar cocó durante algum tempo - e relembro-vos que há no balde cocó de couves, cocó de feijoada, cocó daquele estupor daquela amêijoa vietnamita - decide atirar o conteúdo do balde à rua no exacto momento em que uma pessoa vai a passar. E entra-vos para a boca, salpica a parte de dentro dos dentes, espicha-se-vos para os olhos, deixam de ouvir porque um pedaço de matéria fecal se alojou no tímpano esquerdo. O cabelo e as sobrancelhas também não escaparam à sanha diarreica. E, olhando para dentro da t-shirt, escorre perigosamente um maroto assim mais para o líquido mesmo na direcção dos genitais. Os ténis brancos? Uma miragem de castanho escuro. Roupa? Mais vale estar nu. Duche? É aproveitar o metano e tacar o fogo à epiderme.

Pois, meus caros, eu andei a levar com baldes de merda destes durante todo o mês de Maio, culminando em Junho num magnífico espectáculo de luz e som, no qual fui mergulhada num jerrycan de merda que andou a ser coleccionada por uma equipa de futebol regional que se alimenta de lentilhas e ovos.

Se algo de positivo saiu da experiência é que agora todo o fel de Karvela é plenamente justificado. Durante tempo indefinido e com a violência que me apetecer. 

Karvela

6 comentários:

Piston disse...

Isso beneficia o blog? Acho que valeu a pena.

Loira disse...

Lendo isto, quem ainda não te amava, agora ama!

tagouy disse...

às vezes a vida é muito filha puta para quem não merece...

Pecadora disse...

????

Sofes disse...

gosto de te ter de volta. destila à grande.

Mariam disse...

Garante-nos que se trata de uma metáfora. A bem da nação. Tu és grande, não há esterco que te atinja. Literalmente.