segunda-feira, outubro 02, 2006

A moda, esse animal vegetal

Helga Barroso, na Nova Gente, diz que a tendência para este Inverno é "...a influência british, cortes acentuados com um look discreto da época da revolução industrial com uma aparência modernizada". Pensei que já não se escrevessem imbecilidades destas, pensei que já não havia editores a permitir que se fizessem estas declarações de gente parva nas páginas das suas revistas. O que é isso da Revolução Industrial? Toda a gente vai ter que se vestir com um boné, umas luvas rotas e com roupa de 5 dias? As crianças vão pintar a cara, como trabalhadores das minas e todos vamos cheirar como se tivéssemos trabalhado 16 horas seguidas?

Próximas pérolas da Helga:

“O que está in neste Verão é o look Darfur, barrigas de subnutrição à mostra, muita pele, passar fominha para ter as pernas magrinhas, mas acessorizando com havaianas”

“Para o Inverno de 2006/ 2006 vai usar-se muito as togas do Império Romano.”

"O que está completamente fashion é uma volta ao passado, atar os pés como as chinesas e andar com passinhos pequeninos. Out está usar sapatos confortáveis."

Quem é Helga? Gostaria muito de dizer que é a namorada do Herr Flick, mas não passa de uma ex-Tentações que casou com um gajo muito feio mas muito rico e agora diz que manda.

Karvela

10 comentários:

Arnaldoooooo disse...

Confesso que não estou a ver quem é a Helga...Tenho pena...

virgolina disse...

Quando não se tem nada para dizer, dizem-se coisas destas. Tristeeeeeza!

BlueAngel disse...

Tb não estou a ver quem é a Helga. Mas triste não é haver editores que deixam passar estas barbaridades, mais triste é haver patrões dos media que só querem este tipo debarbaridades nas suas publicaçoes. Isso é que é muito triste mesmo!

Mary disse...

Ohhhh Sra. Dª Helga, o que está out são mesmo as barbaridades que saem dessa boca de sillicon valey

Minerva McGonagall disse...

Não conheço a gaja, mas é já estou a ver que é uma bronca!

Anónimo disse...

Helga Barroso e Luís Evaristo...
Vem-me logo à tola: "Oh Evaristo..., tens cá disto?"

Acreditem amigos, o mal nem é desta pobre coitada da Helga. O "mundo" da moda vive destes discursos vazios e conceitos forjados à pressão.

Quanto a nós, o melhor é ignorar estes tristes! ;)

Anónimo disse...

...isa,
Nem vão acreditar! Não sei quem é a Helga!

Dauphin disse...

A Helga é uma iluminada!
Se ela disse, Karvela, deverias acatar e interiorizar o seu discurso! Lembra-te que vem de alguém que, para além de cantar o célebre tema "Vem-te, meu amor/ cainda quero mais/ metro e 1/2 não chega/ Vem-te, meu amor/ cainda posso mais/ Eu quero a tua verga TOTAL", é alguém que deita cartas na área da moda e estilismo em Portugal e no estrangeiro. Estou constantemente a deparar-me neste blog com a dura realidade que é a tua falta de humildade, a par da ousadia que tens de contestar as opiniões incontornáveis, insofismáveis e incontroversas dos melhores famosos da nossa praça. E isso, Karvela Filipa, isso não te fica bem.

kramer disse...

A culpa é do Santana Lopes. Correu com essas gajas todas do Monsanto...

Dauphin disse...

Sim, conheço a Helga.
Não, não a conheço pessoalmente.
Também não a conheço da Nova Gente.
Conheço-a, sobretudo, do mega êxito que as Tentações lançaram no mercado e que ainda hoje consegue tinir nos meus ouvidos.
Não, não tenho o cd.

Fica-te mal esta falta de humildade, Karvela. A Helga já habituou o grande público às suas dissertações sobre moda e, tenho a certeza, de que terá os seus connects internacionais com os estilistas que acorrem a Paris. Não é, também, difícil de conjecturar que ela até lhes presta conselhos na área, quando muito se não é ela mesma a criar tendências e cores para as estações do ano. Lembra-te que as mulheres portuguesas, e consigo acreditar que as do estrangeiro também, na altura do mega hit "VERGA total" ficaram muito mais desinibidas e a vestir de uma maneira assaz diferente da habitual.
Souviens-toi: "Vem-te meu amor/ cainda quero mais/ metro e meio não chega/ Vem-te meu amor/ cainda posso mais/ eu quero a tua verga TOTAL". Um refrão que primou pela diferença, versos e um ritmo inéditos no mercado musical português. De tal maneira que a produtora, Tony Carreira Produções, golpeou as meninas e castrou-lhes o motor impulsionador de êxito que só voltámos a ouvir falar delas quando a Nicole foi para a casa do BB curar a depressão.
Com isto tudo, Karvela, quero dizer-te que te fica mal, muito mal, diagnosticares a falta de know-how aos entendidos da nossa praça. Não terda dizes que o tempo do Sr. António Sala já terminou!