quarta-feira, setembro 15, 2010

Projecto Moda Episódio 7: Vem tarde mas vem, gente exigente!

Meus pequenos póneis, eis que chegamos aos finalistas. Não sem antes passar pelo glorioso episódio no qual o André finalmente é escorraçado de onde não deveria ter chegado. Ah, o dgama, o dgama. Até mesmo o hogogue, o hogogue.

O episódio 7 pode ser resumido em:
Vão fazer vestidos para o Portugal Fashion.
Vão fazer roupa para uma grávida e para um moça que me ia provocando um acidente quando passei pelo outdoor da Triumph na segunda circular.
Ai que difícil é fazer roupa para uma grávida!
O quê, vamos trabalhar em equipas!?!?!
A Vera a ralhar com o André.
A Vera a dizer que a roupa dela vai ficar muito sexy.
A Carina a dizer que a roupa dela vai ficar industrial e fluída.
*suspiro*

Whatevs, vamos às farpelas.

O júri, desta vez, foi o José Manuel Gonçalves, a outra metade da laranja do Manuel Alves, a senhora da Modalfa, a belha e o Manuel Serrão.

O André teve, na minha humilde opinião, algum arrojo e audácia (agojo e audácia) em fazer um vestido curto para grávida. Estava, desta vez, mais giro que o do Reis, que já vi na montra dos chineses 180 vezes. Mas já lá vamos à razão porque perdeu.

A Carina Durate diz que ficou muito satisfeita por ver a criação dela a desfilar. Não contratem um revisor de texto, não, que vos fica muito bem estas gaffes.

E o povo ficou a saber que isto é aquilo a que os jovens chamam industrial fluido.

O vestido dos chineses do Reis. Não é feio, mas também não é nada.

E não fosse o facto de o André já andar com os dias contados há muitos episódios, desta vez a Vera merecia ter saído. O que é isto? Vamos ver se consigo aqui encontrar uma imagem que vos consiga transmitir o quão horrendo era este vestido. Vá, acho que já tenho. A minha mãe tem 68 anos, é uma senhora que na sua reforma se dedicou, juntamente com o senhor meu pai, a ter uma horta e alguns animais e nem quando chega a altura de degolar e depenar os frangos ela usaria esta farpela porque os vizinhos iam dizer que, coitada, enlouqueceu de vez. Esta roupa é o equivalente a ir ao pão de pijama!

A Menina Inês é daquelas a quem tudo fica bem e escolheu o vestido do chinês. Mesmo querendo ela um vestido comprido, estava disponível para tentar vestir o do André mas... CLARO... o moço não tinha posto fechos e soldou a roupa à modelo. A Inês não teve cá vergonhas em dizer que até gostou mais do outro mas as leis da física não lhe permitiram experimentar a farpela.

Cá está. Não concordo nada que esta roupa seja mais gira para a Helena Coelho que a outra. Mas é que nada de nada. Tirava-se a faixa de Miss Universo ao industrial fluido, enfiava-se a Leninha numas botas até às partes e pimbas. 

Gostei muuuuuito mais do Zé Manel enquanto júri. Muito mais construtivo, mais doce, menos pcebeeeeeeeees. Um júri composto pelos dois Manéis é que tinha piada. Pensem nisso para a próxima. Não fica é ninguém a guardar o atelier, mas isso, meus amigos, arranjem outro Manel para lá ficar durante os dias da gravação, amanhem-se. 
Gostei tanto do Zé Manel que até me dói um bocadinho o que vou fazer a seguir, mas, de facto, ele deseja-vos a todos uma boa semana. 


Karvela

2 comentários:

Anónimo disse...

Olha, agora somos póneis e, como se não bastasse, dos pequenos!
Está aqui uma gaija a salivar com a perspectiva do recap e é assim designada...
Ana Isabel Gândara

mãe pimpolha disse...

O andré sabe lá o que é um fecho, aquilo é vestir e morrer com a farpela vestida. Mai nada.