terça-feira, fevereiro 23, 2010

Nevah say nevah

É com o coração pesado que tenho que responder a este anónimo. Com o coração pesado e com uma meia polar da Decathlon cheia de grão de bico por cozer abanando no ar qual maça medieval mas em barato e reutilizável, que eu hoje queria fazer sopa.

Diz-me o anónimo:

Até ao fim datua vida não te atrevas a dizer que este dia ou esta semana foi a pior da tua vida.

Portanto... até ao fim da minha vida não posso fazer um balanço das semanas que para mim foram boas ou más. Eu sou a coisinha mais feliz, solar, aos saltinhos, gatinhos fofos e tuditudi... mas assumo uma semana frágil (que classifico como top 5, ainda por cima) e dizem-me para não me atrever a qualificar um momento que foi, lamento dizê-lo, inqualificável.

Os seres humanos nem imaginam o que podem aguentar!!!!

Mas eu não quero aguentar mais nada, caraças. Já chega. Foi porreiro enquanto durou mas já passou.

OK Até ontem essa foi uma das piores.....

Que foi o que eu disse. Duh.

mas só até ontem e esperamos que assim continue até estares cheia de brancos com diminuição acentuada da acuidade auditiva, visual, da densidade ossea... enfim essas porcarias todas da idade... da muita idade!!!!!

Mas eu não quero ter cabelos brancos, não quero ficar cegueta, surda e com osteoporose. Esta visão pessimista do evento de envelhecer entristece-me e faz-me pensar nos velhos que vamos ter daqui a uns anos. Os meus pais não são jovens, nada que se pareça, mas não são velhos! Os meus avós, com a idade dos meus pais, estavam acabados. Os meus pais vão de férias, têm vida social. Com as limitações naturais, estão com a cabeça e o corpo sãos e prontos para continuar. Peçam ao meu pai para fazer uma conta de dividir de cabeça. Ou perguntem aos meus amigos a abada que a minha mãe nos deu a todos a jogar Trivial. Houve quem lutasse ferozmente para ficar na equipa dela.

Até lá.... faz por viver ....mesmo a beber água para o ferro.......

Este anónimo certamente não me conhece pessoalmente. Fazer por viver? Não. Viver, talvez. Isso sim. Assumir que tive a semana mais merdosa de sempre, que certamente estará no top 5 de semanas merdosas, mas que foi merdosa. Merdosa assim ao nível de me enfiarem num barril de merda e eu só ficar com o nariz de fora durante 30 segundos e só depois de já ter os refegos cheios de fezes é que me deixaram sair. O "fazer por viver" quase assume que não se pensa, que não se reflecte.

Se, por acaso, fores alguém que me conhece pessoalmente, lamento, mas não fazes ideia de quem sou.

Karvela

5 comentários:

Mariam disse...

Eu pracasus não tenho um blog, só uma coisa caseira dentro de um site fechado, que não permite comentários anónimos. Mas entendo que deve ser de uma pessoa humana cortar os pulsos (ao anónimo). A sério.

O melhor conselho a dar a esta pequena gente é o da vassoura - objecto tão versátil, com duas extremidades bastante úteis para desocupados. Assim que se cansem de varrer...

Maria Santos disse...

Eu nunca me ri tanto com uma resposta a um "antónimoanonimoparvóniopacóvio"!
Tens direito a ter uma semana de merda e gritares aos sete ventos "merda pra isto tudo! semana de merda... ca... fo...", etc, etc, etc...
Tens direito a dizer todos os palavrões estupidos, porcos, badalhocos e ordinários (acho que é tudo o mesmo!!!) que te apetecer dizer!
Deita cá para fora! Deita cá para fora!
Pronto!
Disse!
Eu faço assim!
E olha que eu tambem tenho dias, semanas...de grandessissima merda!

BlueAngel disse...

Ai amiga, tu nem te incomodes com esta gente! Nem merecem o brilhante post que escreveste. Se bem que a bem dizer... nós, aqueles que te compreendemos e gostamos daquilo que escreves, ficamos a ganhar. Esta gente tira o que de melhor há em ti e nós soltamos umas valentes gargalhadas. :-DDD beijocas larocas com amizade :-)

Tagouy disse...

é verdade sim senhora eu fui uma das que levei a abadada da tua mãe ao trivial e não me consigo esquecer...e só por acaso, modéstia à parte, até me considero com um nível de cultura geral muito razoável, mas faltou-me a experiência de vida e a genica mental da tua mãe ;)

Anónimo disse...

ès uma pita mimada de subúrbio