domingo, janeiro 24, 2010

Cafum cafum! *

Continuo tússica. Não vos preocupais, que isto é uma coisa comum na minha pessoa, propensa a condições com nomes finos (bronquite alérgica... uuuuh!) mas cujo produto final não passa de escarradelas constantes, o que se pode tornar pouco chique, dadas as circunstâncias. Hoje, tentando fugir ao inevitável aerius, introduzi no narigame umas gotas que o médico receitou para a condição com nome fino. Estou eu deitada no sofá a fazer sons como cuag ou ranq depois do líquido me atingir a garganta quando o kramer entra na sala e ouve a frase que eu considero notável: "Estas gotas sabem a saco de água quente!".

Mais logo mando abaixo um shot de Biopental OM e depois, em sobrevivendo, logo vos conto se ainda me sabe a borracha.

Karvela
* Onomatopeia para tosse, usada pela minha avó Júlia.

2 comentários:

Mariam disse...

A primeira vez que experimentei o Rhinomer, enfiaram-me logo o força bruta, que acho que é o 3 (ou o 1? olha, sei que o 2 não é. É o mais forte), e o estalo foi de tal ordem que até acho que dei aos braços, sentada na cama, como se estivesse a nadar de bruços. É que me senti a afogar - em água do mar e no meu pingo. Misturados.

Puta Valente disse...

tambem bebeste agua do saco de agua quete em miuda? eu sim... e de facto não é nada agradável. blaaaaargh!