quinta-feira, maio 22, 2008

No time for love, Dr. Jones

Fui ver o Indiana Jones ontem à meia-noite. Gostei e defeco para os críticos de cinema. Tem uma batelada de cenas "tá bem, tá!" mas não foi sempre essa uma das premissas do Indiana Jones? Ele safar-se de situações impossíveis? Enigmas e amadilhas e gráis? Bolas gigantes a rolar? Corações acabadinhos de arrancar do peito, ainda a bater na mão de um senhor estranho? Sopinha de miolo de macaco? Neste há disso tudo e mais qualquer coisinha. E que bem que está a Marion, senhores! E o Ford que ainda é tão credível (esse sim o maior receio que levava para a sala de cinema)? E o Shia, que já se sentava aqui no colinho da madrinha?

Entretanto não só defeco para os críticos como lá pelo meio estão a sair pedacinhos de milho. Tenho que parar de comer pipocas no cinema.

Karvela (Indiana? We named the dog Indiana!)

6 comentários:

Mr. Steed disse...

uh.....dispensava bem a imagem do cocó com as pipocas lá no meio...

Canibal disse...

Ok.
Mas tira a merda de anúncios de fufas, paneleiros e putas do teu vlóguio, sim?
Para bas-fond, já basta o nível de taradice que aqui paira, a composição sócio-demográfica da tua audiência, na qual me incluo.
E para quê o dinhero que ganhas no Google Ads? Para comprar sacos de gelo na loja chinesa?

Pulise....

Nuno T disse...

Enigmas e amadilhas e gráis?
Tás lá.

Tirando a parte do milho.

Mr. Steed disse...

ena...afinal este blog é fino...até tem gente que escreve "composição sócio-demográfica"....

Marta disse...

O meu preferido era o pai dele interpretado pelo Sean Connery. Ainda não vi este.

miscaro disse...

pronto, vá lá...
o filme não é assim tão extraordinário...
deixa aquele gostinho bom e nostálgico, mas em relãção aos outros...

Mas eu n sou crítico, sou só uma pessoa normal a comentar.
Que fique muito claro. Certo.