quarta-feira, dezembro 26, 2007

A likely story!

O prémio Desculpa Esfarrapada 2007 quase iria para outra pessoa, não fosse o Padre António Aires ter sido despido, atado a uma árvore e deixado no meio do mato na noite de 24 de Dezembro entre duas Missas do Galo.

Como é que alguém se lembra de uma coisa destas? Como foi o diálogo com o Sr. Vítor Fonseca (ainda por cima tem nome de série do Gato Fedorento!), quando o padre lhe bateu à porta nessa noite? Na opinião lagostínica foi um misto de más desculpas e poder do clero.

Vítor Fonseca - Ó xô Padre, boa noite... homessa...! O que é que se passa aqui?
António Aires - Olhe, eu estou nú... quer dizer, não é que estivesse a fazer alguma coisa... estou nú porque... vândalos me despiram e, deixa cá ver, me bateram e... errr... me amarraram....
Víctor Fonseca - Então se o amarraram como é que está aqui?
António Aires - Ah, isso. Pooois, eles amarraram-me mas eu soltei-me!
Víctor Fonseca - Mas como é que se soltou se estava todo esmurrado?
António Aires - É que eu estive a ver um episódio do McGyver em que ele se salvou de uma explosão nuclear só com um fio de cabelo, metade de um cão e dois traques e olhe, foi assim.
Víctor Fonseca - Ai é? Então e o que aconteceu à viatura?
António Aires - Eles empurraram-me da estrada e... depois para não desconfiarem, eu... eles... ELES esmigalharam-me os vidros e puseram a chapa para dentro.
Víctor Fonseca - Diga lá a verdade aqui de homem para homem... estava a conviver com a Maria Mamalhuda da casa de putas e aquilo deu para o torto...
António Aires - Ó homem... cale-se e leve-me ao Centro de Saúde. Se ficar sossegadinho absolvo-lhe os pecados todos, incluindo as visitas frequentes à Mamalhuda e, pior ainda, à Zézinha Perneta.
Víctor Fonseca - Xô Padre... temos acordo!

Karvela

4 comentários:

kramer disse...

Não mencionaste como teve o sôr padre tempo para ir à Mamalhuda entre duas missas do Galo... porque numa delas ele esteve.

Anónimo disse...

Que a estória cheira a esturro cheira... Principalmente o amarrado, despido e esmurrado, não havia marcas de chicote...mmmm!?

Anónimo disse...

Sabes que eu não desejo nem sequer a ti que te aconteça o mesmo que sucedeu ao Padre. É algo de grave, triste, traumatizante e lamentável.
Pior do que isso é vir alguém tentar fazer (péssimo) humor com a situação.
Se fosses tu a estar no lugar do Padre o que pensarias de quem viesse a gozar contigo da mesma forma?

Anónimo disse...

Também acho que não tem a mínima piada. O padre não abre o bico porque os agressores ameaçaram matar-lhe os sobrinhos se ele os chibasse. A estória não tem nada a ver com sexo mas com dinheiro e com uns negócios sujos que o padre se preparava para denunciar.
Não brinquem com coisas sérias e principalmente não gozem com a desgraça alheia. Se fosse o vosso pai/mae ou irmao/irmã a ser vítima da mesma coisa o que diriam?