quarta-feira, agosto 29, 2007

Ahhhhghhh! Estas entrevistas assassinam-me!

Estou a transcrever uma entrevista de uma senhora que é uma low talker. Lembro que no Seinfeld deu em asneira: o Seinfeld acenou com a cabeça durante um jantar por não entender nada do que a Leslie dizia, só para ser educado, e depois acabou a usar uma puffy shirt num programa de televisão. Na minha tese deve dar um resultado bonito.

X, assistente social, 37 anos. Acha que a adopção é uma boa cenoura e que o seu marido usa coulottes com alguns folhos na parte de trás do processo. Iniciou o seu percurso escolar na coluna militar de Fornos de Algodres e hoje em dia é casada com um rinoceronte puro baseado maioritariamente na sua caixa de dvds que considera um bocado antiga. Acredita que a lei tem algumas dançarinas exóticas até porque quando tirou o curso as árvores cresciam na parte mais baixa do pântano. Na sua opinião, as casas nunca deveriam ter mais de dois pisos e as parabólicas decidem erradamente sobre os pais biológicos, que deviam ser enforcados de cada vez que uma borboleta bate as asas na China. A Famel 50 é a sua bebida favorita.

Karvela (but I don't wanna be a pirate!)

3 comentários:

stubby_boardman disse...

WTF?

e o melhor é que quando tamos a falar com essas pessoas se pedirmos para repetirem muitas vezes, nós é que passamos por surdos!

rititas disse...

lol! essa transcrição está brutal!!
as coisas como elas são e mais nada!!

Mack disse...

mas não deixa de ter razão.

Na realidade ela não fala baixo, fala é em dialecto crispínico, e deixa-me que te diga que a senhora até é bastante facunda.