quinta-feira, janeiro 11, 2007

Ricardo Araújo Pereira
Ou a lição de defesa pessoal


RAP fala de filósofos que trataram o humor. Judite de Sousa pergunta-lhe quais. E ele disserta sobre o assunto até ela o voltar a interromper. E a lição é: nunca fales de nada que não consegues depois desenvolver porque há sempre uma gaja com a mania que é esperta a tentar apanhar-te na curva.

Outros pensamentos:

Na única Festa do Avante em que participou como militante “Servi imperiais e sandes de panado a camaradas… não foi propriamente trabalho ideológico de fundo.” - melhor frase de sempre!

E, sacaninha, passou a entrevista a falar de pessoas com defeitos na fala. “Humod”, “Actod”, dizia Judite de Sousa. Que não seja ela a contar-lhe como é o fim dos tempo, porque assim RAP não se salvará do Holocausto.

Karvela

1 comentário:

Anónimo disse...

Com esta entrevista, o RAP passou quase quase para grande-ídolo.

Gostei.

Arnaldo