terça-feira, dezembro 05, 2006

Fabricius, és o meu panarícius!

O Fabricius é emigrante. Check.
O Fabricius trabalha numa companhia aérea pouco conhecida. Check.
O Fabricius tem correspondência gratuita. Check.
Eu recebo frequentes cartas da Companhia Aérea x. Check.

Pois hoje recebi este poema:

"Oh Karvela
Pq és tão bela
Vem à janela
Não caias na esparrela
De ser amarela
Q'ainda apanhas varicela
Minha grande cadela!"

Quais Cesariny quais quê...

Karvela

7 comentários:

Arnaldoooooo disse...

O Fabricius é mais que um escritor. é um poeta. Transmite para as palavras os sentimentos humanos. E também escreve versos sobre a Karvela. para mim isso só prova uma coisa: demasiado tempo livre. Ou muito me engano ou teremos versos de Fabricius a serem cantados na banda sonora da Floribella

Anónimo disse...

Profundo... :)

Mary disse...

Muito, muito, mas mesmo muito bom.......

Dauphin disse...

Poesia de casa de banho. Sobressaem tiradas parafraseadas das portas inundadas de versos de poetas anónimos. Esse Fabricius é uma nódoa do caraças! O típico Emigra! Vai enterrar-te nos cd's da Ágata e do António Carreira para descongestionar o intestino grosso!

kramer disse...

Quem me deram ter um livro desta poesia para aqueles momentos de indecisão intestinal que ocorrem na casa de banho.

Bxana disse...

Pura literatura...

Anónimo disse...

Tá mal! Acabei de fazer uma check list num blog vizinho. Agora passo por plagiador!