sábado, novembro 04, 2006

Oh you crazy Santana… you did it again!

A prova final que Santana Lopes não é uma pessoa como as outras pode ser encontrada no Expresso de hoje. Pedro Santana Lopes dá uma entrevista muito própria de si, e que se pode resumir em poucas frases (não literais, mas em jeito de síntese):
“Eu tinha uma estratégia governativa” – claro que tinhas, Pedro… agora vai ali brincar com os outros meninos e deixa as pessoas crescidas fazerem política em paz.
“O Dr. Sampaio não gostava de mim” – Pedro… não é uma questão do Dr. Sampaio não gostar de ti… ninguém gostava de ti! Bem, quer dizer, só mesmo os betos da Kapital, mas esses é porque são licenciados em Direito e vêem em ti uma figura paternal.
“Eu nunca quis ter exposição pública” – Claro que não, Pedro, claro que não…
“Escrevi o livro para fechar este fase da minha vida” – Sim, tenho a certeza que não é pelo dinheiro. Nem pelo facto de dizeres logo a seguir que os clientes deste escritório de advogados que tens agora não são tão bons como noutros escritórios...

Mas a modos que a meio o moço mata-me. Mata-me! Perguntam se é a favor do casamento por homossexuais. Sem novidades, dá a resposta esperada: não, não é a favor. Segue-se a pergunta lógica: e é a favor da adopção? Sim. Sim? “Choca-me menos. Há tanta criança a precisar de um lar e de amor que, apesar de nada disto ser fácil, tenho menos reservas.” [sic]
Dá a resposta mais emocional e menos científica possível, o que, na minha opinião, é de quem está a falar do que sente e não do racionaliza. Poderia ter dito algo como “Não sou contra porque há muitas crianças a viver em situações diferentes de pai-mãe-filhos. Os modelos de família já não são como há 20 anos” ou “Não está provado que as crianças se tornem homossexuais ou que sofram mais na escola”. Poderia ter feito o discurso científico ou o discurso ainda semi-discriminatório. Mas não, focou-se nas crianças. De notar que o Pedro tem uns 38 filhos, como qualquer bom beto de Direita, mas mesmo assim centralizou o discurso na necessidade da criança ter um lar.

Pedro. És um beto. Quando foste PM pensei em emigrar. Achei bem que o tio Sampaio te tivesse dado a oportunidade, porque estavas no partido eleito democraticamente mas gostei mais que te tivesse demitido, porque eu gosto sempre de uma boa gargalhada. Acho que deves ser um bom advogado mas não tens capacidade de liderança nem de governação. E, não sei se já disse, és um beto, e eu acho que todos os betos deveriam ser colocados num contentor e levados para um sítio belo onde pudessem correr e brincar… tipo como fazem os pais quando dizem aos filhos que o cãozinho da família foi para “uma quinta”. Mas com esta frase admito um novo respeito pela tua pessoa, nem que seja pela esquizofrenia assumida de achar que, meus amigos, homens sexuais não devem poder casar! Isso mexer com a santidade do casamento é que não! Mas adoptar… tá bem, pode ser!

Karvela (por favor não voltes ao Governo)

5 comentários:

BlueAngel disse...

Com livro novo e entrevista... hummmm... chirea-me que se vai candidatar à Câmara Municipal de Alguidades de Cima para depois desistir a meio do mandato. lol Como é seu apanágio!

Minerva McGonagall disse...

Políticos... se quiseres vai ao meu blog ver outro exemplo deplorável - o Louçã.

W. disse...

"(...)na véspera de me demitir, disse-me três vezes o contrário" -> Isto não é bíblico?

Bxana disse...

Mas acho que houve aí censura. A resposta deve ter sido:

"O Dr. Sampaio não gostava de mim - buáááááááááááá! Snif...snif... Quero a minha mãe! Deêm-me uma chupeta! Deêm-me aulas de Direito porque tudo o que fiz até agora foi dar pareceres, pelos quais levo rios de dinheiro para pagar a pensão dos meus 15 filhos. Mas acho que todas as criancinhas precisam de um lar..."

Bleeeeeeeergh! Só em Portugal é que uma pessoa destas se torna Primeiro Ministro!

W. disse...

Ah, lembrei-me agora: "a advocacia vai benzinho, graças a Deus". Realmente o senhor está a envelhecer... Dizer 'benzinho, graças a Deus' faz lembrar as velhas que vão à missa e os idosos que se despedem com o misteriosa frase "Boa continuação".