quarta-feira, novembro 22, 2006

Ainda as casas de banho

Meus amigos, esta é a minha mochila (sim, eu ando de mochila e tem este tamanho todo!). Estão a ver cabidinho? Não. Estão a ver onde está pendurada? Na maçaneta. I rest my case.

Photobucket - Video and Image Hosting
Eu até queria que as fotos fossem acerca da mala e dos cabidinhos, mas acabou por ser muito mais do que isso...

Photobucket - Video and Image Hosting
Amu-th é o que está ali escrito. Este pedaço de literatura de casa de banho pode ser interpretado de várias formas.

Por um lado, como é um WC feminino, pode entender-se que a Márcia Baptista decidiu chamar mamuth a uma qualquer amiguinha igualmente divertida e leve de dedinhos com essa misteriosa invenção que se convencionou chamar caneta e que é mais frequentemente utilizada nas portas do que, propriamente, no papel. Como o hífen é um ser desconhecido, ao ponto de se verem bonitas frases pautadas pelas palavras andas-te, fizes-te ou mesmo amas-te; e as palavrax xkritas com abreviaturax contra-natura, é possível que mamuth se tenha transformado em amu-th.

Uma segunda explicação pode ser encontrada no facto de Márcia Baptista não passar da declarada, tendo um qualquer moço bem apessoado de Cacilhas ou mesmo do Pragal tido a coragem, por amor ... amorh ... de entrar no WC feminino e ter escrito, com uma letra bastante amaricada, amu-th. Este é um cenário possível porque os homens não têm que pendurar malas nas maçanetas, deixando bastante espaço e duas mãos livres para escrever outras pérolas como "Broches 96 294 xx xx" ou o sempre clássico "se estás a ler isto estás a mijar para o chão".
Seja como for, esta é uma ode à iliteracia e merece um grande bem-haja por parte deste Lagostim. Bem-haja.

Karvela (e um grande pedido de desculpas às quatro senhoras que aguardavam a minha saída da casa de banho)

6 comentários:

Arnaldoooooo disse...

lndo. Parabex karvela...

E ke pena n ser "katia xlandra xteve aki..."

arnaldoooooo

Fartpudding disse...

A minha teoria (já testada) aponta para o facto de se tratar de português arcaico. A mensagem foi escrita por alguém com cerca de 65 anos, dos tempos em que farmácia ainda era pharmacia!!! A caligrafia (caligraphia) estilizada é a prova definitiva!

botadeelastico disse...

Acerca de literatura de casa de banho, uma figura da teoria da comunicação portuguesa, Pedro Barbosa (não é o ex-jogador do Sporting e da Selecção), fez um levantamento interessante sobre a temática.
Assinou como ASOBRAB ORDEP, sendo o título "O Guardador de Retretes".
Para abrir o apetite (acho que a palavra é felizmente aplicada na temática), cá fica:
"as elucubrações filosóficas e as inaventuras de ASOBRAB ORDEP,autodidacta, viralatas intelectual e guardador-de-retretes, como subsídios para a fundação de uma nova e capricórnica sciência - A RETRETOLOGIA."
Se fosse hoje, o autor possivelmente diria que a blogosfera corresponderá ao universo das portas de casa de banho por este país fora - local onde se pode dizer o que se apetece e à hora mais conveniente.

Fartpudding disse...

Teoria 2: quem escreveu a mensagem foi nada mais anda menos que a Judite de Sousa. A única portuguesa viva que termina todas as palavras com "th"!!

Anónimo disse...

...isa,
eh pah...pensem! Vê-se logo k é latim!

Casemiro dos Plásticos disse...

mt bom lol