sexta-feira, dezembro 02, 2005

Catarse!
Hoje passei parte da manhã na Segurança Social, esse fenómeno! Passo a explicar, com detalhe:
1. Eu sou uma trabalhadora independente. É um termo bonito, até poético, a independência do trabalhador, muito 25 de Abril, muito Manuel Alegre. Mas com os descontos que faço (IRS, Segurança Social) sou uma independente que não come.
2. A Segurança Social paga-se por escalões, sendo que o primeiro não dá NADA! Dá reforma. Esperamos nós. Escolhi o escalão 1 alargado porque dá mais qualquer coisa. Nem sei bem o quê. Eu pagava 119 euros (mais vinte e tal do que o escalão simples).
3. As regras mudaram em Outubro e o escalão 1 simples (o que não dá NADA) passou de quase 100 euros para 150 euros. Divertido!
4. Como o aumento foi tão grande, quero passar para o simples, mas não fui mudar de escalão nos prazos (não sou vidente, não posso adivinhar estas coisas, não me aparece o Zandinga no sono a enviar mensagens sobre prazos das instituições públicas!), por isso tenho que me manter no escalão 1 alargado até Junho, pagando 180 euros. Paguei e calei.
Preciso de desabafar, porque quando a senhora me informou da questão do prazo e depois tive que pagar quase 500 euros em atrasados + juros, mentalmente parti aquela merda toda. Mas como sou uma pessoa educada, sorri, agradeci e virei costas enquanto uma veia dentro do meu cérebro inchou até eu ficar a ver tudo vermelho.
Devo admitir que as funcionárias foram simpáticas, prestáveis e rápidas - o meu nome não aparecia no sistema, telefonaram para os centrais, fui beber um café, e quando voltei estava tudo resolvido e com um sorriso na cara. Pronto, valha-nos isso.
Ok, não! Ainda estou zangada!
Karvela
Já agora, porque é que em frente a TODAS as entidades públicas há sempre um ou dois tipo que preferem esperar na rua? Não tenho nada contra, mas se não estão a fumar, se está a chover a cântaros e o frio congela as partes especiais, não entendo porquê... serão porteiros? "Ó amigo, o shor não pode ir de ténis para dentro das Finanças... se quiser há uma roulote ali à frente onde também carimbam impressos!"

6 comentários:

Anónimo disse...

Pois amiga, nestas coisas de pagar ao Estado não há a fazer. O lema das instituições públicas é pagar e reclamar depois. Se tiveres razão é reembolsada 1 ano depois (com sorte).
O problema dos trab independentes, é que os q ganham pouco são os q efectivamente pagam, pq aqueles senhores q têm altas casas e brutos veículos, topo de gama, e declaram o salário mínimo e cujos filhos andam nas faculdades a usufruir de bolsas de estudo por carência monetéria, esses não pagam!!!
PORQUE A MIM NINGUÉM ME CALA!!!!

Bjokas
Tio Paulo

Undisclosed Recipient disse...

Tu sabes de cooooisas! :)

manda-chuva disse...

A independência paga-se cara! E isso aplica-se a tudo...

AlIllis disse...

Para quê o Zandinga quando temos a internet?

http://www.seg-social.pt/

Apenas, o cidadão disse...

Segurança Social neste país? para a nossa geração a palavra segurança ganha um sentido mais restrito.

o caso descrito é um exemplo claro de quem tem decidido o futuro do país não tem qualquer ideia estruturante do que deve ser a Segurança Social. ou por lado (numa perspectiva teorica de conspiração) quem ganha com um mau sistema de segurança social?

Anónimo disse...

Não posso deixar de concordar com a teoria da conspiração.

POr algum motivo há tanto interesse em denegrir o modelo social europeu, da qual a segurança social é um importante pilar. Será que os senhores políticos que decidem o rumo destas coisas não terão um cargo importante dentro das seguradoras que vão lucrar com isto? Será que nao foram essas seguradoras que lhe pagaram as vitórias políticas? Curiosamente são esses srs que se insurgem contra a entrada de mais imigrantes em idades contributivas. Esses sim acabarão por pagar a nossa segurança social.

Desculpem lá um comentário tão profundo, mas por vezes é necessário escavar bem fundo na merda que inunda este país.