domingo, setembro 11, 2005

Grocery store feud

Na nossa terra há coisas que não lembram ao diabo. A realidade ultrapassa a ficção todos os dias. A mais recente merece uma entrada no blog.
Nós temos mercearias, como em todas as vilas. Duas delas são muito próximas, em linha recta, entrecortadas por uma loja de sementes, rações e tintas, diluentes e subprodutos do petróleo. Esta última, de há uns meses para cá, começou a vender também hortaliças e mercearias. As duas merceeiras da linha recta, com medo de perder clientela, decidiram fazer queixa à polícia, que multou a loja das sementes por não ter alvará de venda de comida. A senhora da loja das sementes-diluentes-comidinha decidiu, então, fazer justiça pelas próprias mãos... colando mensagens ameaçadoras, num bonito papel A4, feito num PC caseiro. "A vingança serve-se fria" é apenas uma das pérolas de sabedoria.
Na Tasca da Karvela não tomamos partidos, mas podemos fazer perguntas:
1. Se as senhoras da linha recta não tivessem feito queixa, será que perderiam realmente clientela, tendo em conta que a concorrência vendia produtos que podiam deixar as pessoas com um brilho interno no baço?
2. Será que as senhoras perderam o sono com o pavor causado pelos papelinhos ameaçadores? Não teria sido uma caçadeira algo bastante mais assertivo?
3. Porque é que nós insistimos em viver aqui? Lisboa é uma cidade tão bonita...

Karvela

1 comentário:

Nessum Dorma disse...

Karvela pq achas q eu ando com um capaceta blindado da tropa dentro do carro?
Ouvi dizer q o Samouco é considerado pela CIA como uma das zonas de maior perigo e terrorismo, só mesmo comparado com as zonas de crise no Iraque.